Minha Pérola do Tapajós!!!

Carinhosamente chamada de “Pérola do Tapajós”, a antiga aldeia dos índios Tapajós, e mais tarde elevada a município, com o nome de Santarém é uma cidade rica em belezas naturais. O calor intenso, a comida exótica e as histórias de “boto” vão consagrando o lugar como um recanto único.

Crédito de imagem: site Borari/Santarém

 

Assim, Santarém vai recebendo seus visitantes agradavelmente…srsr.  Margeando a área urbana da cidade já é possível apreciar um grandioso espetáculo da natureza: o exuberante encontro das águas. De um lado o gigante rio Amazonas com suas águas barrentas e do outro, o nosso Tapajós, com suas águas verde-esmeralda. E, detalhe, os rios correm juntos por um longo percurso sem se misturarem, um fenômeno pra lá de especial.

Quem nasce em Santarém é santareno ou mocorongo, como euzinha…rsrsrrs. É gente da terra, que ama suas raízes, que acolhe e compartilha. É ser natural, simples, humilde, livre de preconceitos. Ser ou estar mocorongo, depende de cada um de nós!! Mas, acima de tudo é respeitar a sua e nossa, terra mãe!!

A mocoronga!!! rsrsr...

Vindo a Santarém você não pode deixar de provar o “tacacá”- caldo grosso, servido em cuias(artesanato paraense), com enormes camarões secos, acompanhados do saboroso tucupí (um líquido amarelado extraído da mandioca) e o jambú (uma hortaliça que adormece a boca). Gente, é muito bom! Quando penso no cheirinho de tucupí exalado pelas bancas das tacacazeiras (como são chamadas as senhorinhas que preparam esta iguaria regional)  éguaaaa, me dá água na boca!!! kkk.

Crédito de imagem: Fernando Simon Pontes, foto Tacacá.

Como disse no post sobre Belém, a culinária paraense tem forte influência indígena e por isto, é rica em iguarias exóticas, como por exemplo os bolinhos de piracuí (farinha de peixe seco, socado no pilão), ou o beijú servido na folha de bananeira(é tipo a tapioca só que mais grossa e umedecida com o puro leite de coco). Têm também a pupunha (fruto, que se come cozido, de textura densa, fibrosa e farinácea, e cuja semente há um delicioso coquinho) e os inúmeros tipos de peixes, que ficam apetitosos fritos e servidos com açaí bem grosso.

Terra do saudoso Wilson Dias da Fonseca – o maestro Isoca, autodidata, reconhecido no Brasil e no exterior. Compositor de diferentes gêneros, mas sempre valorizando a cultura paraense. Outra grande personalidade em nossa cidade chama-se Dica Frazão. No auge dos seus 90 anos, ela produz roupas a partir de fibras naturais da Amazônia. Isto, graças ao seu belíssimo trabalho baseado na sustentabilidade, pois, Dona Dica é artesã pioneira na utilização da raiz do patchuli (raiz de perfume peculiar presente nas famosas garrafadas que dão origem aos banhos de cheiros paraenses), dentre outras matérias-primas amazônicas. Suas peças estão expostas em seu próprio museu/atêlier que funciona em sua casa a alguns metros da orla de Santarém.

Sebastião Tapajós e euzinha!!Teatro Municipal de Osasco/SP. Lançamento do CD Cordas do Tapajós.

Outro que orgulha a cidade é o violinista Sebastião Tapajós. Músico consagrado na Europa, ele mistura efeitos percussivos e variações de timbre, dentre outros recursos sonoros. A mocoronga que vos escreve teve a oportunidade de vê-lo e ouvi-lo em Sampa, no lançamento do cd Cordas do Tapajós, e lhes afirmo que fiquei impressionada com sua musicalidade. O mocorongo é fera no dedilhar das cordas!!srrsr..

Sobre a arte santarena simplifico-a em quatro letras “Aíra” – Associação das Artesãs Ribeirinhas de Santarém. O trabalho destas mulheres é perfeito. Elas são responsáveis por manter vivos os costumes e tradições na produção das famosas cuias(artesanato feito da casca do fruto das cueiras, usadas por índios e caboclos, nelas tomamos o tacacá) de Santarém – Patrimônio Imaterial Nacional. Este trabalho expressa toda a tradição indígena através dos elementos flora, fauna e de toda mítica amazônica.

Crédito de imagem: Aíra Cuias

Se você é do tipo que gosta de visitar o lugar e levar um souvenir, aconselho-o a passar pela joalheria Sena. Lá o turista encontra um dos trabalhos mais criativos da região. Os artesãos misturam ouro com matéria prima amazônica, como sementes, cascas e palhas, e assim, dão formas a lindas jóias repletas de referências culturais da região. Pelas mãos destes artistas, a beleza e versatilidade dos elementos da floresta são transformados em preciosidades, cheios de encantamento e sedução!

A cerâmica tapajônica também é outra dica de presente. Esta arte milenar, mais antiga do que famosa cerâmica marajoara, pode ser encontrada em várias lojinhas de artesanato espalhadas pelo centro urbano.

Ao fim do dia, o interessante é ir passear na orla de Santarém e sentir a brisa fresquinha no rosto. Assistir ao entardecer à beira do rio Tapajós é mágico!!

Crédito de imagem: Arnoldo Riker.

No mais, vou ficando por aqui, mas não sem antes citar Vicente Fonseca descrevendo o grande maestro Isoca, seu pai:

“Não queira alcançar o mundo com as pernas, apenas cante a sua aldeia, na qual serás universal.”

Um xêro da mocoronga!!

obs: Égua faz parte do nosso vocabulário, é a vírgula do paraense, tudo é éeegua por lá…kkk.

*Clí Santos.

Link’s:

http://wilsonfonseca.com.br/blog/?p=150

http://sebastiaotapajos.blogspot.com/2010/11/o-virtuose-sebastiao-tapajos.html

http://airacuias.blogspot.com/

http://www.santarem.pa.gov.br/home/index.php?

http://santaremtur.com.br/

Anúncios

3 pensamentos sobre “Minha Pérola do Tapajós!!!

  1. […] Quer ver a postagem completa acesse: Giros da Mocoronga […]

  2. Blog Teia disse:

    Olá
    Seu post foi divulgado na Teia.
    Até mais

  3. Amanda disse:

    Terra linda…como poucas. Desconhecida ainda das grandes massas, graças a Deus. Que Deus a conserve assim. Quantas recordações. Dos passeios pela orla ao cair da tarde, acompanhada de vovó e vovô; da parada na barraca de D. Maria para um tacacá e um pé-dé-moleque; de comer jambo no pé; de ir ao centro da cidade a pé; de viajar de barco, ao sabor da brisa e da correnteza do rio, seguida pelos botos e pela saudade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s